top of page

Garrafas de vidro são transformadas em areia e podem ser utilizadas em obras



Imagem: G1

A areia, uma das matérias-primas mais consumidas globalmente para construção urbana, produção de vidro e outras aplicações, enfrenta desafios ambientais devido aos processos de extração convencionais, como mineração e dragagem, que causam danos aos ecossistemas, poluem rios e erodem regiões costeiras.


Consciente desse problema, a prefeitura de Maceió, Alagoas, anunciou uma iniciativa inovadora para produzir areia por meio da reciclagem de garrafas de vidro descartadas pela população. Essa solução não apenas contribuirá para evitar que toneladas de material sejam enviadas para aterros, mas também prolongará a vida útil desses locais.


Para implementar essa abordagem de logística reversa, a prefeitura instalará máquinas de coleta e trituração de garrafas ao longo de toda a orla. Equipada com uma tela eletrônica que fornece instruções de uso, a máquina pode triturar uma garrafa de vidro em apenas 3 segundos, conforme comunicado oficial da prefeitura.


Após a trituração, o material será recolhido e armazenado para posterior utilização em obras estruturantes na cidade, incluindo construções, pavimentações e outras intervenções que demandem o uso de areia.


Dados recentes da Associação Brasileira das Indústrias de Vidro (Abividro) apontam que o Brasil coloca anualmente no mercado cerca de 1,3 milhão de toneladas de vidro, em diversas formas, movimentando cerca de R$ 120 milhões. No entanto, apenas 300 mil toneladas, equivalente a aproximadamente 25%, são direcionadas para a reciclagem.

Eco-friendly


É possível observar que tanto o setor público quanto o privado estão indo em direção a um caminho mais sustentável. Nesse contexto, a Pampack, como empresa eco-friendly, destaca seu compromisso com a preservação ambiental, apoiando e promovendo métodos sustentáveis. Todas as nossas embalagens são reutilizáveis e 100% recicláveis, alinhando-se a esse movimento em prol do meio ambiente.



Fonte: Um Só Planeta

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page