Moda digital é a nova tendência. Você sabe como funciona?

A moda digital é uma nova tendência. Roupas como saias, vestidos, calças, chapéus, sapatos e acessórios podem ser adquiridas pelos consumidores, porém nenhuma das peças é tangível, são todas virtuais. Os looks são usados em programas de realidade aumentada e, principalmente em fotografias para as redes sociais.


O objetivo dos designers é produzir obras digitais para que as pessoas possam se expressar e superar obstáculos criativos.


Mulher segurando um tablet e apontando para a tela
Foto: Pexels

É possível experimentar as peças por meio da realidade aumentada. Após a compra, o cliente pode fazer o upload das fotos para o site ou aplicativo por conta própria e, após dois ou três dias, receberá as fotos com roupas novas editadas profissionalmente.


Em 2020, Natalia Modenova e Darla Shapovalova lançaram a marca de moda digital DressX, em Los Angeles. Oriundas da moda tradicional, elas identificaram diversos problemas que queriam resolver nesse mercado.


Nesse sentido, a Comissão Europeia das Nações Unidas para Europa aponta que 20% das águas residuais globais são produzidas pela indústria da moda, que também é responsável por 10% das emissões globais de carbono. A indústria têxtil foi identificada como um dos principais agentes poluidores e o segmento de fast fashion já foi acusado de não oferecer condições de trabalho adequadas em vários países.


Para as criadoras da DressX, a grande vantagem da moda digital é possibilitar que as pessoas usem roupas novas e emocionantes com a frequência que quiserem, sem que tenham que ser produzidas fisicamente. Outro positivo apontado por Shapovalova é que a moda digital permite que mais designers iniciem suas carreiras sem grandes custos ou produção física.


É o caso da artista 3D, Stephy Fung, que agora usa as suas próprias criações. “Uso-as digitalmente porque quero ilustrar o que é possível com a moda digital e porque estas roupas me fazem parecer muito melhor do que as da vida real”, afirma.


Fung destaca ainda que, na moda digital, as possibilidades são infinitas e divertidas. É possível usar roupas que flutuam e que não têm gravidade; ter indumentárias que brilham em cores diferentes ou que sejam animadas com palavras diferentes ou estampas.


Na visão de Roei Derhi, fundador da Placebo, os looks digitais transportam as pessoas para diferentes universos. “Acho que a melhor parte da roupa digital é que o seu efeito de escape. A moda digital é maior que a realidade e faz com que as pessoas não usem apenas roupa, mas fantasias”, ressalta.


Derhi considera que a moda digital também é uma forma mais sustentável de criar conteúdo de mídia social. Um estudo realizado pelo banco online britânico Barclaycard monstra que um em cada dez britânicos afirmou que compra roupas online apenas para vesti-las uma vez, com o objetivo de postar fotos nas redes sociais e depois devolver as roupas.


O criador Doddz, de Manchester, na Inglaterra, acredita que é apenas uma questão de tempo até que esse método de fazer moda seja adotado pelos fashionistas na vida real. Assim como as pessoas usam óculos de sol digitais através dos filtros do Instagram e como marcas como Louis Vuitton e Balenciaga entraram no mundo dos jogos.


Já de olho nessa tendência, no mês de março, a Gucci lançou um modelo de tênis digital, vendido por 12,99 euros.


E você, já aderiu à moda digital para arrasar nas fotos das redes sociais?


Fonte: Pampack Embalagens, com informações Delas

4 visualizações0 comentário